Segurança na prescrição e na administração dos medicamentos

Garantir que os medicamentos sejam administrados com segurança e precisão é a base para um atendimento seguro para a enfermagem e equipe médica. 

A importância de seguir os "Treze Certos" da Administração de Medicamentos (paciente, medicamento, dose, via e horário corretos, etc) está enraizada no treinamento de cada estudante de medicina, enfermagem e farmácia.

No entanto, o relatório inovador do Instituto de Medicina (IOM), To Err Is Human: Building a Safer Health System, observou que os erros relacionados à medicação são uma causa significativa de morbidade e mortalidade, sendo responsável por uma em 131 mortes ambulatoriais. e um em cada 854 mortes de pacientes internados. [1] Apesar da implementação de programas de melhoria de qualidade, esforços de redução de erros e novas tecnologias, erros de medicação em hospitais e organizações de saúde nos Estados Unidos continuam sendo um sério problema de segurança.

Por exemplo, em uma revisão de 91 estudos de observação direta, os investigadores estimaram que a taxa de erro mediana da administração de medicamentos é de 8% a 25%, dependendo da estratégia de medição e se os erros de tempo foram incluídos ou não. A taxa média estimada (incluindo erros de tempo) de administração intravenosa foi ainda maior, variando de 48% a 53%. O tipo de erro mais comum foi o horário incorreto de administração, seguido por omissão e dose incorreta, preparação incorreta ou taxa de administração incorreta (para medicação intravenosa). [2]

Existem muitas estratégias e táticas para melhorar a segurança da administração de medicamentos. Aqui estão cinco que podem causar impacto.

1. Avalie o ambiente de trabalho
Erros na administração de medicamentos e outros problemas de segurança podem aumentar quando certas condições do ambiente de trabalho estão presentes. Isso inclui escassez ou rotatividade persistente de pessoal, muitas distrações e interrupções, protocolos de segurança de medicamentos mal elaborados e falha no cumprimento de políticas e diretrizes.

Embora a maioria dos hospitais e sistemas de saúde tenham implementado várias iniciativas de melhoria da qualidade nos últimos 20 anos, quando foi a última vez que o seu deu uma olhada específica nos fatores ambientais que poderiam impactar a administração segura de medicamentos? Você tem certeza de que todos os turnos têm pessoal adequado para manter altos padrões de segurança e reduzir a fadiga que pode causar um erro? Os fluxos de trabalho são configurados para minimizar a distração durante a administração de medicamentos? As diretrizes e protocolos de tomada de decisão estão atualizados, devidamente seguidos e projetados para manter os padrões de segurança? Se você não tiver certeza das respostas, é hora de avaliar o ambiente de trabalho e seu impacto nos protocolos e políticas de administração de medicamentos da organização.

2. Implementar tecnologias de segurança de medicamentos
Entrada computadorizada de pedidos, alertas de segurança de medicamentos, códigos de barras de medicamentos e pacientes, bombas de infusão inteligentes para administração intravenosa (IV), embalagens de medicamentos de uso único – todos esses são exemplos de tecnologias que podem reduzir ou prevenir erros na administração de medicamentos. Usadas em conjunto com processos eficazes, equipe devidamente treinada e um ambiente com o mínimo de distrações, essas tecnologias podem ser muito eficazes.

A administração de medicamentos com código de barras, por exemplo, demonstrou essencialmente eliminar erros de pacientes, medicamentos e doses errados em ambientes hospitalares. Um estudo de erros de medicação não cronometrados em um sistema com tecnologia abrangente de código de barras / administração médica eletrônica encontrou uma redução de 41% nos erros e uma redução de 51% nos eventos adversos potenciais do medicamento. Os erros de cronometragem também foram reduzidos em 27% nesta instituição.

Mas embora a tecnologia seja certamente útil quando combinada com diretrizes e protocolos eficazes, não é uma panacéia. Ainda existem elementos humanos no processo de administração de medicamentos que devem ser considerados. Quando a pulseira de um paciente não faz a leitura, ou um medicamento não está listado no sistema ou há um mau funcionamento do equipamento, a equipe de enfermagem e os médicos implementam soluções alternativas para concluir suas tarefas, o que pode realmente aumentar o risco de erro.

3. Educar pacientes e cuidadores
Pacientes e cuidadores que administram medicamentos em casa constituem um grande número de erros na administração de medicamentos. Uma revisão de 36 estudos sobre erros de medicação do cuidador encontrou taxas de erro que variam de 2% a 33%, com erros de dosagem, omissões e medicação incorreta os tipos mais comuns de erros de administração. [3]

Forneça aos pacientes e seus cuidadores educação adequada sobre como tomar seus medicamentos em casa e quando entrar em contato com seu provedor se eles não tiverem certeza de como administrá-los. Comunique as informações verbalmente e por escrito. Identifique aqueles que têm baixo nível de alfabetização em saúde e reserve um tempo adicional para garantir que eles entendam as instruções; recrute o apoio de um assistente social conforme necessário.

4. Implementar estratégias para medicamentos de alta vigilância “MAV”
Muitas drogas são semelhantes e / ou semelhantes (MAV). Quando os nomes, embalagens ou design do dispositivo de administração são semelhantes, esses medicamentos podem ser confundidos entre si. A Joint Commission desenvolveu uma lista dos medicamentos mais problemáticos aqui.

A leitura incorreta de nomes de medicamentos que parecem semelhantes é um erro comum, especialmente em hospitais, e principalmente quando os pedidos são comunicados verbalmente. Para reduzir o risco desses erros, use estratégias como:

Use "Letras de caixa alto" – o que ajuda a distinguir nomes de medicamentos semelhantes
Adicionar rótulos de advertência que alertam a equipe sobre os medicamentos de alta vigilância MAV
Eduque os pacientes e cuidadores sobre os medicamentos de alta vigilância MAV e como verificá-los
Configure seu sistema computadorizado de entrada de pedidos para alertar os médicos quando eles estiverem prescrevendo medicamentos com aparência ou som semelhantes
5. Tome precauções extras com medicamentos de “alerta alto”
Medicamentos de alto alerta são aqueles com maior probabilidade de causar danos ou morte quando usados erroneamente.

De acordo com o Instituto para Práticas Seguras no Uso dos Medicamentos (ISMP Brasil), os cinco principais medicamentos de alerta são insulina, opiáceos e narcóticos, cloreto de potássio (ou fosfato) injetável concentrado, anticoagulantes intravenosos (heparina) e soluções de cloreto de sódio acima de 0,9 por cento. A lista de medicamentos de alto alerta do ISMP.

Algumas das maneiras que o ISMP sugere que as organizações podem reduzir o risco de erro com medicamentos de "alerta alto" incluem: padronizar o pedido, armazenamento, preparação e administração dessas mediações, limitar seu uso e usar alertas automatizados para aumentar a consciência ao prescrever ou administrá-los.

Referências:

[1] Institute of Medicine. To err is human: building a safer health system. Washington, DC: National Academy Press; 1999.

[2] Medication Administration Errors, Patient Safety Primer, AHRQ Patient Safety Network, January 2019, https://psnet.ahrq.gov/primers/primer/47/Medication-Administration-Errors

[3] Medication Errors: Patient Safety Primer, Patient Safety Network, Updated January 2019, https://psnet.ahrq.gov/primers/primer/47/Medication-Administration-Errors

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.