Homem tem rosto totalmente restaurado após

Um homem canadense de 64 anos que foi deixado desfigurado em um acidente de caça há sete anos agora pode mastigar, cheirar, falar e respirar adequadamente depois de passar pelo primeiro transplante de rosto do país.

De acordo com um comunicado de imprensa da Universidade de Montreal, a operação de 30 horas ocorreu em maio e exigiu a colaboração de mais de 100 médicos, especialistas e cirurgiões.

"Esta delicada operação é o resultado de anos de trabalho meticuloso e organizado por uma equipe incrível e a incrível bravura e cooperação do paciente e sua família", Dr. Daniel Borsuk, cirurgião-chefe do Hospital Maisonneuve-Rosemont e da Universidade de Montreal, disse no comunicado de imprensa.

O homem, cujo nome não foi revelado, havia passado por cinco cirurgias reconstrutivas e vivia com uma traqueostomia, o que o levou a respirar, dormir, comer e falar.

"Como cirurgião plástico, sei que, não importa se grande ou pequeno, os ferimentos no rosto têm um aspecto particularmente simbólico e estão intimamente ligados à nossa identidade", disse Borsuk. “A desfiguração facial pode ter um efeito prejudicial na autoconfiança e na produtividade e, portanto, esse transplante oferece imensa esperança e possibilidade em nosso paciente”.

O transplante, coordenado pela Transplant Quebec, ajudou a restaurar suas mandíbulas, músculos faciais, dentes, lábios e nariz.

Existem aproximadamente 40 transplantes de face em todo o mundo desde 2005.

Em agosto, a National Geographic apresentou um sobrevivente de 21 anos de uma tentativa de suicídio que se tornou a pessoa mais jovem dos Estados Unidos a se submeter a um transplante de face.

Acredita-se que o homem canadense seja o mais antigo do mundo.

"Queríamos garantir que o receptor assumisse uma grande mudança em sua existência na melhor saúde física possível, munida de todas as informações necessárias e apoio psicológico", disse Borsuk.

"Continuaremos a apoiar o paciente para que ele possa se adaptar completamente à sua vida pós-cirurgia".

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *