Sou Enfermagem

É verdade ou é fake o vídeo de homem resgatado após ser mantido refém de urso ?

Autor: Sou Enfermagem Em: 27/06/2019

É verdade ou é fake o vídeo de homem resgatado após ser mantido refém de urso ?

Circulam fotos e um vídeo pelo WhatsApp de um homem desfigurado e desnutrido com muita sujidade e crostas que parecem feridas em uma maca de hospital.

Essa é mais uma daquelas histórias que viraliza na internet e deixam dúvidas. 

Junto às imagens, uma legenda descreve que o sujeito, identificado como Alexander, teria ficado enterrado por engano durante 26 dias.

Ainda de acordo com as informações, ele ficou nessa situação até que alguém passasse pelo seu túmulo e escutasse seus gemidos.

Mas seria possível alguém sobreviver a 1 mês debaixo da terra ou seria fake news? 


Veja o vídeo abaixo.



A história que circula na internet

De acordo com o jornal Siberian Times, Alexander passou 1 mês como refém de um urso dentro de uma caverna.

Sim, você não leu errado: um urso.

A publicação explica que o homem estava na região de Tuva, na fronteira da Rússia com a Mongólia, quando foi atacado pela fera. Após ter a coluna quebrada pelo urso, Alexander ficou durante todo esse tempo apenas resistindo à morte e até bebendo a própria urina para não morrer de sede. Dias depois, ele foi encontrado por cães que acompanhavam caçadores na região. Ao se deparar com o homem, o grupo imaginou que o ar úmido tinha mumificado o corpo. Mas, para a surpresa de todos, Alexander estava vivo e ainda tinha forças para falar. Após o resgate, já no hospital, 1 vídeo mostra o homem em uma maca. Seu corpo está cadavérico e ele em feridas em vários locais. Os médicos, incrédulos com a sobrevivência de Alexandre, ainda pedem que ele pisque os olhos e repita seu nome.


Os fatos sobre o vídeo

A história foi desmentida pelo site EADaily e Metro. Tudo isso não passa de #FAKE

O homem que parece uma múmia nunca foi "atacado por urso"

Um ponto de interrogação paira sobre a identidade de uma "múmia viva" que teria sido atacada por um urso e deixada morta. Pensou-se que o homem, conhecido apenas como Alexander, foi encontrado por cães de caça na cova de um urso em uma região remota da Rússia, um mês depois de ter desaparecido. Mas uma nova reviravolta surgiu após as alegações de que o sobrevivente barbudo estava em um hospital no Cazaquistão e nunca havia sido atacado. Todos os hospitais na região russa de Tuva, onde o ataque supostamente aconteceu, negou que o homem tenha sido um paciente, relata o MailOnline. A história do ataque do urso foi quebrada pela agência de notícias EADaily, de Moscou.

Desde então, eles ofereceram uma recompensa em dinheiro para quem puder "esclarecer esse evento verdadeiro".


Pesquisadores independentes dizem que a mulher que está falando nas filmagens está falando cazaque em vez de tuvano. Um grupo que procura por pessoas perdidas no Cazaquistão disse que o homem era da cidade de Aktobe, onde ele foi hospitalizado, e não foi atacado por um urso. O Aktobe fica a cerca de 1 600 km da capital regional de Kyva, em Tuva. A organização conhecida como zello.poisk fez a alegação depois de tentar descobrir que Alexander era um homem desaparecido com o mesmo nome que eles estavam procurando.
Eles pediram aos hospitais em Aktobe para ajudá-los e disseram-lhe que ele está sendo tratado e está "melhorando". O grupo acrescentou: “Ele está doente. Mas os médicos disseram que vão curá-lo. "Claro, como ele acabou por estar em tal estado, nunca saberemos." Uma fonte de um hospital em Aktobe também disse que o homem era um paciente lá, mas não houve nenhuma declaração formal.

Sobre os Ursos Marrons

Urso-pardo, (Ursus arctos), urso de pêlo peludo (família Ursidae) nativo da Europa, Ásia e noroeste da América do Norte. Mais de 80 formas do urso pardo foram descritas; eles são tratados como várias subespécies de Ursus arctos. Ursos marrons norte-americanos são tradicionalmente chamados de ursos pardos.

Os ursos marrons são onívoros e se alimentam de bagas, raízes de plantas e brotos, pequenos mamíferos, peixes, bezerros de muitos animais com cascos e carniça. Eles costumam guardar comida em buracos rasos, e eles vasculham prontamente e vigorosamente em busca de roedores. Exceto em algumas áreas do sul, os ursos se retiram para as tocas no inverno; eles acumulam grandes quantidades de gordura durante o final do verão e outono. Filhotes, geralmente gêmeos, nascem no inverno após cerca de seis a oito meses de gestação. Ao nascer, um filhote pesa menos de um quilo.

Os ursos pardos eurasianos são geralmente animais solitários capazes de correr e nadar bem. Eles geralmente têm 120–210 cm (cerca de 48–83 polegadas) de comprimento e pesam 135–250 kg (300–550 libras); o excepcionalmente grande urso-pardo siberiano (Ursus arctos beringianus), pesando tanto quanto 360 kg (800 libras), aproxima-se do tamanho do urso norte-americano. A cor da pelagem é altamente variável, variando de branco acinzentado a tons azulados e acastanhados a quase preto. Ursos pardos eurasianos são comumente vistos em zoológicos; antigamente eles eram frequentemente treinados para se moverem ritmicamente para a música - os chamados dançarinos dos festivais e carnavais europeus. Eles já percorreram a maior parte da Europa e da Ásia; no entanto, a faixa sul do animal foi significativamente reduzida.

Cursos Online: Quer melhorar o seu currículo e se destacar no mercado de trabalho? Então clique aqui e faça um curso online conosco



Este site usa cookies para fornecer serviços e analisar tráfego. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies. Saiba mais. Entendi